Metabuscadores: o que são e como podem ajudar a aumentar as reservas.

Provavelmente já escoltaram falar nos últimos tempos dos novos serviços de metabuscadores como TripAdvisor, Google Hotel Finder e Trivago. Nessa matéria vou explicar como funcionam tecnicamente, e os resultados que podem oferecer em relação as reservas.

Como funcionam os Metabuscadores

Os metabuscadores de busca já são vários, estão bem posicionados nos motores de buscas e contam com um grande trafego web.  Além disso, eles contribuem com conteúdo, comentários e reservas web, graças ao apoio que dos parceiros provedores tecnológicos como nos (WuBook) de onde eles recebem informações sobre a disponibilidade, preços e eventuais restrições de uma estrutura para poder oferta-las na própria plataforma. Cada um com um estilo próprio, e formas diferentes, mas com os mesmo resultado: proporcionar a possibilidade de reservar diretamente uma habitação de uma estrutura.

Funcionamento técnico 

Tecnicamente o conceito de conexão e parecido com o channel manager (gestor de canais) mas na realidade e levemente diferente, dato que os metabuscadores se alimentam diretamente da fonte (daqui o nome “fount sites” de WuBook) e do sistema (calendário) que nos proporcionamos e assim que eles conseguem apresentar o inventário das habitações disponíveis na página do perfil público de cada estrutura.

Nesse ponto podemos afirmar que os metabuscadores de busca se comportam como uma OTA e podem se conectar tanto ao gestor de canais (channel manager) quanto ao motor de reservas (booking engine), dependendo do serviço contratado pela estrutura turística. O fundamental e que esse serviço contenha um calendário que a estrutura precisa manter atualizado com disponibilidades, preços e restrições.

Resultados conseguidos

Precisei de um tempo para render publica uma opinião sobre esse serviço, já que sinceramente no início no tinha muita confiança estava com várias dúvidas a respeito desse novo sistema de comercialização on-line. Dúvidas, ainda tenho algumas, mas eles são mitigadas pelos resultados obtidos.

Sistema de cobrança

A maior parte dos metabuscadores trabalha com um sistema de pagamento por cliques (Pay por Click – PPC), significa que a cobrança e feita por cada clique (consulta) feita na página publica da estrutura com redirecionamento ao motor de reservas. A cobrança é efetuada em um estepe intermédio onde a reserva não fui definida ainda, o hoteleiro terá que pagar antes de ter certeza que a reserva seja confirmada.

E um modelo que, obviamente, tem riscos mas analisando os dados, posso afirmar que a percentual de conversão e os cálculos reais do retorno do investimento demostram que é um serviço que vale a pena experimentar. Seguramente ter um motor de reservas com uma taxa de conversão alta ajuda bastante as vendas.

Prospectivas futuras dos metabuscadores  

Eu não gosto muito de prever o futuro (e não sei se sou muito bom nisso) mas quero compartilhar minha opinião com vocês. A flexibilidade e a personalização que os metabuscadores permitem e muito ampla. O conceito de poder criar campanhas especialmente para determinados mercados, com ofertas dedicadas e geo-localizadas é um excelente marketing para conseguir reservas, a que deve ser adicionada a uma ferramenta para acompanhar as conversões obtidas.

Por isso e extremamente importante que o provedor que oferece a conexão a TripConnect a Google Hotel Finder e a Trivago disponibilize também um sistema de rastreamento das visitas com que será possível comparar as conversões realizadas e os resultados obtidos.

Espero que essa matéria tenha ajudado e esclarecido algumas dúvidas.

autor: Daniele Socal (white)
tradução e adaptação: Florestano Tavernier (magenta)

Leave a Reply